Bolinho de estudante
Bolinho de estudante

Esse doce de tapioca frito e coberto com açúcar e canela é conhecido também como "punheta". Torradinho por fora e muito macio por dentro fica perfeito com café fresquinho. Oh se fica!

por Joyce Galvão - 10/06/2020

ESSA RECEITA

RENDE 20 UNIDADES (MAS TUDO VAI DEPENDER DE COMO VOCÊ MODELAR OS BOLINHOS)

 

É RAPIDINHO PARA FAZER! EM UMA HORINHA VOCÊ TEM UM BOLINHO DELICIOSO PARA ACOMPANHAR SEU CAFÉ!

 

VOCÊ VAI PRECISAR DE TAPIOCA GRANULADA PARA FAZER ESSA RECEITA!

INGREDIENTES

AH!

Faça seu próprio leite de coco! Clique aqui

    • 4 xícaras (chá) | 150g
      tapioca granulada
    • 1 xícara (chá) | 240mL
      água morna
    • 1 xícara (chá) | 240mL | 210g
      leite de coco fresco
    • 1 xícara (chá) | 85g
      coco fresco ralado fino
    • 1 xícara (chá) | 180g
      açúcar refinado
    • ½ colher (chá) | 1g
      sal refinado

PARA EMPANAR

    • 1 xícara (chá) | 35g
      tapioca granulada flocada
    • ½ xícara (chá) | 100g
      açúcar refinado
    • 1 colher (sopa) | 8g
      canela em pó

PARA FRITAR

    • 3 xícaras (chá) | 720mL
      óleo de canola, girassol ou milho

FICA A DICA

O bolinho pode ser servido “seco” ou “molhado”, quando envolvido em uma mistura de açúcar com canela.

COMO PREPARAR

AH!

No tabuleiro da baiana você vai ver esse bolinho de diversos tamanhos. Tem baiana que faz ele grande, tem baiana que faz um pouco menor… Tudo a gosto do freguês!!!

Por isso, se quiser, faça porções maiores (mas antes, certifique-se que caberá na sua panela!)

    1. Prepare o leite de coco artesanal e o coco ralado fresco, clique aqui para receita.
    2. Caso opte pelo uso do coco ralado seco, junte a ele, no liquidificador a água morna e bata até formar um líquido branco. Retire e prossiga a receita conforme os passos abaixo.
    3. Em uma tigela junte a tapioca, açúcar, coco ralado fresco e água (ou o líquido batido), leite de coco e sal. Misture e deixe descansar por 2 horas.
    4. Com a massa firme e hidratada, espalhe nas mãos um pouco de manteiga e enrole uma porção da massa do tamanho de uma bola de golfe (cerca de 30g) e afine as pontas. Repita o processo com toda a massa, transferindo os bolinhos prontos para um tabuleiro.
    5. Coloque a tapioca restante em um prato, empane os bolinhos e reserve.
    6. Em uma tigelinha junte o açúcar com a canela e misture. Reserve.
    7. Prepare uma travessa com papel toalha. Reserve.
    8. Coloque o óleo em uma panela e leve ao fogo médio até esquentar. Meça a temperatura com um termômetro – deve estar em cerca de 180 °C ou então coloque alguns pedacinhos da massa para verificar a temperatura (se não fritar, aguarde um pouco mais).
    9. Frite os bolinhos por cerca de 2 minutos, ou até ficarem dourados. Retire-os do óleo com o auxílio de uma escumadeira e transfira para a travessa com papel toalha.
    10. Ainda quentes, passe os bolinhos pela mistura de açúcar com canela e transfira para o prato de serviço.
    11. Sirva acompanhado de um bom cafezinho!

SAIBA MAIS

 

Essa é uma punheta culinária! Calma, calma !!!! O bolinho frito, conhecido por bolinho de estudante (por conta dos ingredientes simples e de baixo custo), que leva tapioca e leite de coco, possui também o nome de “punhetinhas”– conta do bom humor baiano!

 

A receita é um importante item da culinária afro-brasileira e que ainda não é reconhecida como patrimônio cultural da cidade. “Bolinho de estudante” também tem outras conotações, como por exemplo a de vários estudantes reunidos. Já Jorge Amado no livro O Sumiço da Santa recusa:

 

“Como é mesmo tia Romélia?

E tu não sabe menina? Olha que tu sabe muito bem, o nome é punheta, bolinho de estudante é pronúncia de beata! Punheta, tão gostosa como a outra”

 

Os bolinhos são vendidos nos tabuleiros das baianas de acarajé e carinhosamente oferendados aos ibejis, além de apreciados pelo povo do santo.

 

PREPARA SEU PRÓPRIO LEITE DE COCO PARA A RECEITA!

Leite de coco artesanal

Leite de coco artesanal

Desenvolver um doce com tamanho frescor é escandalosamente mais gostoso, e o leite de coco artesanal é, sem dúvida nenhuma, sempre uma boa escolha!
Saiba mais

FAÇA TUDO COM A MANDIOCA!

Bolo pé de moleque

Bolo pé de moleque

Muito presente nas festas juninas no Nordeste o Bolo Preto (ou pé de moleque) é, provavelmente, o mais antigo bolo brasileiro. Feito com mandioca e mel de engenho fica perfeito com queijo coalho tostadinho!!!
Saiba mais
Bolo podre paraense

Bolo podre paraense

O bolo podre é comum nas ruas do Pará e um dos doces típicos mais famosos na época de festa junina. Nas praias cariocas, conhecido como cuscuz de tapioca, faz mais sucesso que o Pão de Açúcar! Mas é bolo, pudim ou cuscuz?
Saiba mais
Translate »